Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

doce dezembro

doce dezembro

21
Dez17

Filmes | The Boss Baby

M

Ontem finalmente vi este filme. 

Adiei a ida ao cinema por meses, até que o filme saiu do cartaz. Mas ontem, eu e o J sentamo-nos no sofá e nem sequer pensamos em mais nada: é desta que vemos!

 

Provavelmente vocês já viram este filme - se, assim como nós, gostarem de filmes de animação - mas eu preciso mesmo de comentar porque este filme está super .

 

Em primeiro lugar, acho que o filme retrata bem a realidade de ter um irmão mais novo. Pelo menos eu consegui por-me no lugar do miúdo: quando tinha os meus nove anos, a minha mãe veio perguntar-me se eu queria um mano. Por dentro só consegui pensar "estás doida? Nem pensar!" mas da minha boca somente saiu um leve e doce "não". Hoje, se pudesse voltar atrás, teria mudado a minha resposta! Ter um irmão deve ser tão bom! Mas quando somos filhos únicos e nos dão para a mão uma decisão destas, a primeira coisa que pensamos é no amor que os nossos pais têm por nós, amor esse que, nas nossas cabeças, vai ter de ser dividido! E, pelo menos para mim na altura, eu queria ser o centro das atenções. - estúpida, estúpida, estúpida!

 

Em segundo lugar, fartei-me de rir com o filme. Aliás, fartamo-nos de rir com o filme! Soltamos daquelas gargalhadas boas, sabem? Aquelas que quase fazem chorar e doer a barriga!

 

Por último, morri de amores! É que se um bebé já é fofo, - a M de há dez anos iria surpreender-se imenso ao ouvir a M de agora dizer isto - um bebé gordinho mais fofo é!

 

Concluindo, o filme está demais! Conseguiu dividir-me em várias emoções: fez-me rir, fez-me pensar, fez com que se formassem lágrimas nos meus olhos - ok, eu sei que esta última também não é muito difícil - e é desse estilo de filmes que eu gosto.

Portanto, foi dos melhores filmes que vi este ano, e agora é que me arrependo mesmo de ter adiado tanto tempo!

 

 

P.S.: em principio o próximo filme que vou ver vai ser o Ferdinando, que estreia hoje.

09
Dez17

Dias especiais ❣️ 9.12

M

Parabéns a mim, que desculpei erros, sempre tentando e nunca desistindo. Que não deixei que pequenas desavenças ganhassem e que muitas vezes engoli o orgulho por ti.

Parabéns a ti, que me aturas todos os dias, que perdoas as minhas falhas e compreendes os meus dias maus. Que me ouves gritar, chorar a altos berros e partir a casa toda quando me irrito.

Parabéns a nós, que juntos caminhamos completando-nos um ao outro, cuidando um do outro, motivando um ao outro.

 

Hoje completamos dois anos de namoro.

Às vezes parece que foi ontem, outras vezes parece que foi há dez anos.

Às vezes sinto que ainda te estou a conhecer, outras vezes sinto que te conheci há duas vidas atrás.

Não sei bem o que dizer.

Dois anos é muito e ao mesmo tempo pouco. 

 

As relações não são fáceis.

Não é fácil evitar uma discussão ou uma briga.

Não é fácil calar-nos para que não haja desentendimentos.

Somos seres diferentes unidos por um cordão invisivel - é assim que gosto de pensar.

Somos duas pessoas com personalidades opostas que, ao mesmo tempo são tão parecidas.

Somos dois seres individuais que aprendem diariamente a conviver, a ouvir, a amar.

 

Não é fácil ser tua namorada, mas ser meu namorado também não é canja.

Somos complicados, orgulhosos e teimosos - tu mais do que eu, tá?

Mas principalmente somos amigos um do outro e quando um precisa o outro está lá.

 

Sabes que és uma pessoa muito especial para mim e que a minha vida sem ti não tinha nem por sombras um quarto da felicidade que tem agora?

Inspiras-me todos os dias, até com as coisas mais simples.

És o meu melhor amigo, o meu confidente, o meu parceiro - de risos, de fofoquices, de momentos estúpidos, de gordices, etc.

És o meu ponto fraco que, curiosamente me fortalece imenso!

És o meu abrigo nas noites mais frias e a minha sombra nos dias mais quentes.

 

Agradeço a Deus, ao Universo, às Estrelas e Constelações, aos Signos, ao Alinhamento dos Planetas, ao que quer que te tenha posto no meu caminho.

Estou eternamente grata.

 

E amo-te daqui até Namek

 

06
Dez17

Dias especiais ❣️ 6.12

M

Hoje é um dia especial.

Hoje faz dois anos.

Não dois anos que começamos a namorar, mas dois anos em que eu soube que te queria.

 

Apareceste na minha vida assim do nada e curiosamente no meu aniversário. 

Sei bem que tentaste conhecer-me, mas eu estava numa relação.

Recuei por duas vezes, mas desejava sempre que viesses falar comigo.

Até te chamava nomes por não o fazeres!

Mas um dia... há dois anos atrás, eu decidi avançar.

E já que não me falavas, tinha de falar eu.

Pedi por duas vezes um sinal a Deus e por duas vezes o sinal tive.

Hora de avançar, que sou uma gaja moderna - orgulhosa, mas moderna.

Falar-te e aceitar encontrar-me contigo pareciam coisas tão básicas, mas ao mesmo tempo que me deixavam nervosa.

E olha, decidi aceitar o encontro e ainda chegaste atrasado! Belo serviço!

Quando te vi, percebi que até podias ser um ótimo amigo.

E falamos, dando voltas ao shopping.

Até que nos sentamos.

6 de dezembro, fim de tarde, frio, e eu de t-shirt e casaco.

Tinha frio e aqueceste-me.

Ouviste-me, deste-me conselhos e apoiaste-me.

E eu? Eu tive a certeza que podias ser um ótimo amigo.

E lá para o fim do encontro, depois de me teres abraçado e aquecido as mãos, beijaste-me. E foi um beijo mágico. O beijo mais mágico que dei na vida.

Sentia que havia uma bolinha à nossa volta, e que tudo fora da bolinha era a realidade. Mas dentro, onde estavamos, era um sonho.

Levaste-me à paragem de autocarro e ficaste lá à espera, a fazer-me companhia.

Abraçaste-me.

E foi nesse abraço que eu soube. 

O calor dos teus braços, a forma perfeita como a minha cabeça encaixava debaixo da tua, o teu sorriso lindo.

Tudo fez sentido.

Tudo mudou nesse dia.

Por isso, ainda bem que te falei e ainda bem que aceitei encontrar-me contigo. 

Foi no tempo certo, quando tinha de ser e como tinha de ser.

Mas para lá da bolinha havia um mundo que eu tinha de enfrentar.

Mas isso fica para outro dia!

Obrigada. 

Hoje é um dos dias mais especiais da minha vida.

04
Dez17

Wonderland Lisboa

M

Finalmente ontem apareci lá para espreitar ao vivo como é que as coisas estavam, mas sinceramente não passeei muito, pois como estava a haver o Somos Portugal, havia uma grande enchente de pessoas e não convinha muito sair da zona em que a minha mãe estava, não fosse eu perdê-la.


Ainda dei uma volta à feirinha(?) e até gostei. Está mais espaçoso, mas ou é impressão minha ou há realmente menos barraquinhas de comida. De pães com chouriço só vi duas - uma em cada lado - eu e o J paramos na que tinha menos gente e foi uma decepção! Um pão pequenino e duro 3€. Não volto lá com certeza. Também comi castanhas e foi novamente uma decepção. Se o ano passado eram ótimas, este ano estavam todas queimadas e podres. Ainda apanhei umas boazinhas, mas de resto, desilusão. No fim decidi ir comer um churro. Eu já devia saber que o meu organismo e churros não combinam nada, mas tal é a teimosia!

 

Estava frio frio frio, e tenho para mim que as pessoas só lá ficaram porque o Tony Carreira fechou o programa! É que, quando o homem saiu do palco, digamos que... fomos engolidos!

 

Em termos de diversões acho que está um pouco estranho. É impossível andar na roda devido à fila e o mesmo se diz relativamente à pista de gelo.

 

Quando lá voltar talvez tudo esteja mais calmo. E aí sim vou espreitar tudo como deve ser!

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • omeumaiorsonho

    Boa sorte com o novo blog vou seguir certamente.

  • HD

    Já fui espreitar mas a casinha ainda está vazia :-...

  • M

    Eu tenho um spray próprio para estas... bichas, ma...

  • M

    espero é que tenha ido para outro lado qualquer.....

  • omeumaiorsonho

    Nada que um mata moscas não resolva ou um spray

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D